socioeco.org
Site ressources de l’économie sociale et solidaire

Nota de leitura: O imperativo de resiliência: cooperar para uma transição rumo a uma economia de estado estacionário, Mike Lewis e Pat Conaty

Yvon Poirier, octobre 2012

Résumé :

maioria, se não todos, os exemplos listados no livro têm em comum uma solidariedade entre populações e organizações diferentes do mesmo território. Na maioria dos casos, as atividades foram desenvolvidas para atender às necessidades de populações carentes, como o acesso à moradia para famílias de baixa renda. Embora o livro trate de menos exemplos no Sul, sabemos de vários exemplos citados em nosso boletim que a abordagem é a mesma. Nossos boletins mostram exemplos deste tipo como a ASSEFA na Índia 60, as cooperativas de Moçambique 19, os usuários da floresta no Nepal 17, ou a economia social em áreas rurais na China 81. Nossos boletins também das aproximações que são construídas entre organizações de base de diferentes países, para se informar, ajudar-se e fazer uma advocacia de conjunto.

Os dois autores do livro que apresentamos e que freqüentamos sistematizaram esses exemplos e muitos outros, para demonstrar que é possível viver de forma diferente, sem uma corrida desenfreada para o crescimento, destruindo os ecossistemas de nosso planeta. Sem mencionar o esgotamento acelerado dos recursos do planeta terra.

Os dois autores do livro, The Resilience Imperative: Cooperative Transitions to a Steady-State Economy, Michael Lewis do Canadá e Pat Conaty do Reino Unido conseguem a façanha de analisar a situação sócio-econômica atual e de demonstrar que em práticas alternativas já existentes, temos o que é preciso para dar uma virada para uma sociedade respeitadora das comunidades humanas e do próprio planeta.

A partir de dados existentes, eles demonstram claramente que o atual modelo de desenvolvimento, baseado no crescimento não é tanto o resultado do modelo capitalista em si, mas sim o resultado da exploração de uma energia praticamente livre que é o petróleo. Como dizem alegoricamente, é como se tivéssemos encontrado um tesouro escondido no porão da nossa casa. Nós o usamos, pelo menos uma porção da humanidade, e o gastamos excessivamente. Temos consumido em velocidade vertiginosa os recursos do planeta, recursos naturais, água e oceanos, e terra e todos os ecossistemas. Em menos de 2-3 gerações, o impacto será maior do que toda a atividade humana no planeta Terra desde o início da vida. O sistema capitalista, como o vivemos hoje, especialmente a sua versão neoliberal, acentua o consumo frenético e o desperdício de recursos e nos aproximamos do precipício.

No entanto, a evidência científica estabelece, além de qualquer dúvida, que não só não é um modelo viável, mas que o futuro da própria vida será muito perturbado, entre outras coisas pelo aquecimento do planeta, que se tornou quase impossível, a menos que uma grande e rápida mudança aconteça. Como tal, nós gostamos de uma citação de Kenneth Boulding relatada no livro. Depois de explicar que nós vivemos em um mundo onde os recursos são finitos e não infinitos, ele diz: « Quem acredita que o crescimento econômico pode continuar para sempre ou é um louco ou um economista!". Temos de pedir desculpas aos « reais » economistas que sabem, é claro, que é um dogma, construído sobre uma ideologia, e que carece de base científica.

As alternativas existem

Os autores explicam que a consciência de que é preciso adotar um estilo de vida mais respeitosa da vida humana é antiga. Já nos séculos 18 e 19, muitos autores propuseram visões alternativas, muitas vezes chamadas de utópicas e idealistas, mas que muitas vezes levaram a alternativas reais. Por exemplo, Robert Owen, que inspirou a primeira cooperativa em Rochdale em 1844.

Face às crises econômicas, ao fosso cada vez maior entre ricos e pobres, ao desemprego, nos últimos 30 a 40 anos, tomadas de consciência aconteceram que era necessário dotar-se de organizações respeitosas dos valores humanos e do desenvolvimento sustentável. Os autores apresentam muitos sucessos a este respeito:

Seikatsu Club Cooperative Union no Japão. Iniciado em 1968 por mulheres, hoje inclui 32 cooperativas, com 350 mil membros, que compram diretamente dos produtores para as suas necessidades alimentares básicas.

As Community Land Trusts (fidúcia fundiária) nos Estados Unidos e no Reino Unido que retiram a propriedade dos terrenos da especulação de terra, tornando a moradia acessível para as pessoas « comuns ». A de Champlain, no Estado do Vermont nos Estados Unidos, é pioneira neste sentido. Ela permite ter 2.200 casas a preços acessíveis.

As cooperativas de solidariedade na Itália que prestam serviços sociais na comunidade, integrando entre os funcionários pessoas desfavorecidas.

O grupo de cooperativas Mondragon no País Basco espanhol é uma cooperativa de trabalhadores pertencendo a seus 70.000 trabalhadores. Além da produção industrial, há uma poupança e empréstimo, bem como escolas e atividades de pesquisa e de desenvolvimento.

Diversas cooperativas financeiras de poupança e de crédito que, em geral, não foram afetados pela crise de 2008, ou muito pouco. Os autores citam a rede de 220 ​​cooperativas comunitárias de poupança e crédito nos Estados Unidos, que são ativas nas comunidades carentes do país. As hipotecas sobre as casas eram saudáveis ​​e perderam pouco, apesar do aumento do desemprego nestas comunidades.

Os autores ilustram suas observações com muitos outros exemplos. No entanto, os exemplos citados aqui permitem entender que, enquanto lutam contra as forças dominantes que perpetuam o modelo dominante, é possível viver de forma diferente.

Essas atividades, como o título sugere, são mais resilientes, porque elas contam com o envolvimento das pessoas e das comunidades. Também mais resilientes para o planeta, porque elas mostram que é possível viver em um mundo mais equilibrado, que não depende da exploração irracional dos recursos naturais do planeta.

Canadian Center for Community Renewal-Centre canadien de renouveau communautaire (EN+FR)

communityrenewal.ca/resilience-imperative

New Economics Foundation (EN)

www.neweconomics.org/

Sources :

Boletim Internacional de Desenvolvimento Local Sustentável n°92