socioeco.org
Sitio de recursos de la economía social y solidaria

La asociaciao Terre de Liens: o exemplo de Echausses, França, um projeto coletivo de instalação pluriativo

Martine Theveniaut, mayo 2010

A associação Terre de liens nasceu na França em 2003.

Suas missões são « contribuir para a criação de atividades rurais, respeitadoras do ambiente e socialmente solidárias, pelo acompanhamento dos realizadores de projetos, e a aquisição conjunta de terras agrícolas e edificações; sensibilizar a sociedade civil e pressionar os agentes políticos, sindicais e comunitárias a fim de colocar a gestão das terras no coração de suas preocupações ». Ela se inspirou do banco neerlandês “Triodos Bank” que desenvolveu desde a década de 1980 um fundo verde para investir e comprar o terreno para a agricultura orgânica. Esta reflexão foi desenvolvida nos anos 1990, nos movimentos de educação popular, de finança solidária, da agricultura orgânica e da proteção do ambiente.

Um dos objetivos era inventar uma ferramenta que permitisse ir mais longe de que a solução da propriedade agrícola GFA (Grupos de terras agrícolas) ou SCI (Sociedades civis imobiliárias ) que permanecem estruturas frágeis no tempo. Porque se um dos parceiros decide retirar-se, ele coloca toda a exploração em risco.

Para desenvolver sua ação, a associação Terra de liens criou dois instrumentos: uma ferramenta para investimento solidário, a Foncière Terre de liens, que coleta poupanças para aquisição de terras agrícolas e arrendamento para os agricultores, e uma ferramenta de doação, a Fondation Terre de liens. Reconhecida de utilidade pública, esta pode recolher doações de explorações e dinheiro.

Terra de liens hoje está presente em 15 regiões.

O exemplo de “Echausses” na região Languedoque-Rossilhão.

Oito adultos de 28 a 40 anos, com cinco filhos partilhavam um projeto coletivo de instalação pluriativo e procuravam um lugar. Echausses em Limoux parecia um local ideal. O patrimônio é composto de 7 hectares de terras de aluvião, 2 celeiros, um palheiro, uma padaria, 580 m2 habitáveis e 120 m2 para converter. Está localizado em Limoux, no sul do departamento da Aude ao confim dos Pireneus. Os encargos financeiros e a vontade de perpetuar a função alimentadora da terra os levaram para uma colaboração com a Terre de liens.

O custo total da operação é de 520 000 euros. O preço das instalações de alojamento e a dupla natureza do projeto determinam o grupo de trabalho para separar:

  • morada: 310 000 euros de edifícios de alojamento, adquiridos pela SCI (Sociedade civil imobiliária) “Fermacultures” criada pelos promotores de projetos.

  • Os terrenos e edifícios de exploração, adquiridos pela Foncière (150 000 euros de terrenos e imóveis agrícolas; 60 000 euros para obras de telhado, de alvenaria, reabilitação das terras não cultivadas, etc., distribuídos em 16% para os promotores de projetos e 84% para a poupança local e fundos não dedicados). O que assegura a possibilidade de hospedar no local os agricultores que adquirem o uso do solo (no momento da aposentadoria ou da saída dos promotores do projeto).

Seu projeto? “Da diversidade das nossas rotas, de nossos percursos e de nossos quotidianos nascem e riqueza, e a dificuldade” escrevem na ficha descritiva do seu projeto de ficha.

  • “Uma das questões era encontrar um mecanismo legal refletindo o estado do nosso avanço exato sobre questões de dinheiro, solidariedade e distribuição de poderes: trabalhar em conjunto um dia por semana e um fim de semana por mês para construir o elo em torno da busca de um grau de autonomia alimentar coletiva (horta comunitária, energias renováveis) e a criação de uma vida cultural no local (noites de projeção, jogos, debates, concertos…). Construir e gerir em conjunto espaços comuns de acordo com um método de decisão baseado no consenso, desenvolver atividades profissionais no local, e “engajadas”. Dividir materiais (agrícola, de casa e de oficina, os bens culturais) e uma parte da renda. Cultivar uma comunicação franca e não-violenta. Desprendimento material para crescimento humano. Comprar em comum (orgânico e local) o que não é produzido”… Mas, avançar passo a passo para um ideal não é um longo rio tranquilo: para a SCI, por exemplo, a dissociação entre as participações de capital e a introdução de contas correntes contribuiu para suavizar as diferenças de capital para uma partilha de poderes mais horizontal. O desenvolvimento do quadro legal revelou-se um estimulante desafio, por vezes uma desordem desanimadora, especialmente na ausência de respostas legais e confiáveis definitivas, apesar dos profissionais consultados.

Se os diferentes tempos partilhados alimentam o elo entre os moradores, as atividades econômicas e as moradias continuam individuais. Além disso, cada um desenvolve seu projeto profissional e pessoal: Vicente põe em prática uma produção orgânica de legumes, Gaëtan de frutas orgânicas, que serão valorizados mediante venda direta (mercados e cestos). As produções agrícolas serão, desde que possível, transportadas por tração animal de jumentos. Como complemento, Gaëtan manteria sua atividade no conselho de gestão florestal alternativa. Lisbeth, parteira, transferiu no local seu consultório de acompanhamento global ao nascimento (partos em domicílio). Cécile projeta um lar de acolhimento de idosos. Michaël, o educador especializado, prevê de receber imediatamente de pessoas com deficiência ou de jovens em dificuldade. Jocelyn, luthier e músico, quer transferir a sua fábrica em Echausses. Nina, professora, projeta criar atividades educativas para os jovens.

O projeto agrícola e cultural gira em torno da escolha de trabalhar em conjunto um dia por semana e um fim de semana por mês. As reuniões sobre o fundo e a organização do projeto são regulares. O equipamento é comum e o intercâmbio é quase diário. Os custos de operação (água, eletricidade, gás…) são distribuídos de acordo com uma chave de distribuição definidos conjuntamente e evolutiva (segundo o consumo estimado cada).

Os marcos do projeto.

Em abril de 2009 o SCI é criado. O local é comprado e em maio os pioneiros se instalam (3 adultos) ! Início de julho, 5 adultos e 1 criança vivem em Echausses e o trabalho da SCI começa. No verão eles desemaranham as cercas em torno das terras. Com Moutsie de nature & progrès, elaboram um inventário botânico bio-indicador. Uma bela festa de acolhimento, a 15 de agosto, é seguida de um mutirão muito animado que permite de iniciar o trabalho de renovação dos telhados da SCI (400 m2) e estabilizar o muro de retenção da padaria.

Final do mês de agosto: 7 adultos e 3 crianças vivem em Echausses e o trabalho sobre o telhado da SCI continua. Vicente compra dois bonitos jumentos cruzados Pirenéus-Português (Ulis e Quetzal) que ele começa a adestrar. Início de Setembro: os 4 ha agrícola útil de SAU (Superfície agrícola útil) não cultivados (moagem profunda, despedaçador, arado de cinzel, grade) são reabilitado. Um pedólogo (especialista do solo) de orientação Hérody-biodynamie considera que o trabalho seja bem feito, o terreno está melhor: os lenhosos não voltam a crescer, a terra revive (arejamento), e mudou drasticamente a vegetação.

No outono, o coletivo termina a reparação de uma boa parte os telhados da SCI. Lisbeth começa sua atividade de parteira em Echausses, Gaétan continua a sua atividade florestal e prepara a instalação de seu pomar, Jocelyin continua com sua oficina de luthier e seus concertos occitanos, Nina prepara seu concurso de professora primária, Cécile trabalha como formadora na região, Michael como educador em Limoux, Vicente prepara sua instalação agrícola. As reformas interiores da SCI (divisórias, assoalhos, eletricidade) continuam no inverno, como bem como a instalação da oficina em um dos celeiros Terre de liens. Vicente e Gaëtan avançam sobre os seus processos de instalação hortícola e árvores orgânicas com a Adear 11 . Vicente continua o adestramento de seus jumentos para o trabalho do solo (começa a funcionar!) e se prepara para a sua primeira época de produção.

Em Março de 2010, 8 adultos de 28 a 40 anos e 5 crianças 1 a 11 anos vivem em Echausses. Béatrice (companheira de Michael) se instalou com duas filhas.

E hoje ?

“Estamos plantando cercas vivas em toda a parte! Madeira para aquecimento, múltiplas pequenas tarefas do dia e reuniões de gestão da SCI… Nós testamos o poço (boa vazão!) e começamos a instalar a irrigação, e a compra do equipamento agrícola. Vicente fez a sua primeira semeadura depois de ter trabalhado o solo e instala sua primeira estufa (depois de certa confusão administrativa). Gaëtan encomenda as árvores frutíferas e suas estacas (em uma floresta que ele gere!), a horta coletiva é iniciada… Viva o sol!

Daqui a um mês… já terá passado um ano! Tivemos de reconhecer o óbvio… não mais do que o mundo foi feito em um dia, Echausses não será calçado dentro de um ano ! A vida sobre um lugar “Terre de liens” … a felicidade de uma maravilhosa aventura! Muito obrigado a todos aqueles que têm nos apoiado de perto ou de longe.”

Para saber mais:

Terre de liens, “uma riqueza a cultiva”: www.terredeliens.org mouvement@terredeliens.org

Terre de liens em Languedoque-Rossilhão: lr@terredeliens.org

Fuentes :

Bulletin International de Développement Local Durable n°68