socioeco.org
Website de recursos comum da economia social e solidária

ECONOMIA SOLIDÁRIA EM SANTA CATARINA: UM ESTUDO SOBRE OS EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS

VII ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 09 E 10 DE MAIO DE 2013

Jurandir Domingues Júnior, Cristiane Mansur de Moraes Souza, Juarês José Aumond, Maio 2013

Download : PDF (380 KiB)

Resumo :

O presente estudo se propõe a caracterizar os Empreendimentos Econômicos Solidários (EES) localizados no território catarinense, até o ano de 2007, utilizando como base de informações o Relatório Nacional, datado do mesmo ano, desenvolvido e organizado pela Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) e disponibilizado por meio do Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária (SIES). A metodologia empregada neste estudo contempla além de uma base teórica construída por uma pesquisa bibliográfica, uma pesquisa documental tendo como base os dados secundários sistematizados no Atlas da Economia Solidária 2005 – 2007, produzido no âmbito da SENAES. O mapeamento e caracterização dos EES têm como objetivo primordial a promoção do potencial da Economia Solidária (ES) como um possível modelo alternativo de desenvolvimento econômico e social. O detalhado mapeamento dos EES catarinenses, se por um lado da visibilidade a este modelo produtivo e indica uma ampla aderência aos princípios da ES, evidencia por outro que esse modelo organizativo está em um estágio embrionário como alternativa de desenvolvimento, visto o ínfimo número de organizações registradas e participação no PIB estadual; não sendo capaz de fazer frente às demandas da sociedade em geral, e devido a este motivo recebe pouca ou nenhuma atenção dos atores sociais locais. A consolidação dos EES catarinenses assim como os de todo ao Brasil depende em muito de políticas públicas que reconheçam que sua lógica particular demanda estratégias diferenciadas de apoio, preferencialmente confrontando em primeiro lugar as duas principais barreiras evidenciadas: a comercialização de seus produtos e serviços e o acesso ao crédito. Considerando uma visão de longo prazo, a sustentabilidade destas organizações a nível nacional demanda políticas públicas de suporte econômico/financeiro e de transferência de conhecimento para uma gestão efetiva e eficaz de suas atividades operacionais e administrativas.

Fontes :